terça-feira, 25 de março de 2008

Cena 16 - Poeminha

Então eu ganhei uma passagem para fora da lista de blogs favoritos dos meus vizinhos. Aparentemente, passar um certo tempo longe das teclas leva os leitores reais a uma revolta descrente e desesperada. Outro dia vi tomates na minha janela. Além disso, tenho recebido mensagens muito suspeitas no meu Orkut e biscoitos da sorte. Peço que todos respirem fundo e admitam que foi apenas uma questão de horas entre uma postagem e outra... 1154, mas horas.

Tenho várias coisas a compartilhar com vocês, mas todas meio melosas e profundas, nada que seja compatível com o meu atual estado de espírito (que hoje está mais para comédia da Warner do que cinema europeu). Então, caros amigos, para acalmar os ânimos e, com sorte, roubar alguns sorrisos, eis algumas rimas despretensiosas (observem o abuso da licença poética):

Era uma vez, em um lugar pouco distante
Ao alcance do vento e do olhar hesitante
Uma nova vila se formava sem aviso
Sem propósito ou endereço preciso
Fez de velhos conhecidos, novos amigos
E de olhos estranhos, fiéis ouvidos.
Quem antes compartilhava bancos
Agora, compartilha devaneios francos
E quem antes abria os braços em um abraço
Agora abre o coração em desabafo.
E foi assim que foi sendo formada
Essa velha vizinhança, em meio ao nada
Encontrou antiga e pequena moradora
Que se adaptou e virou leitora
Saiu do casulo sem ser cutucada
E vem enchendo de cores nossa morada
Mudou-se alguém com nome de turma
Que logo mostrou que lugar se arruma
Alguém que na vida exige alguns côvados
Mas aqui, acolhe desabafos trôpegos
Veio também o polêmico crente
Que põe a funcionar a roda da mente
E se é na esquerda que se concentra
É porque é por seu coração que se orienta
Junta-se a isso vizinhos ausentes
Cujas participações são parênteses
Em meio a uma longa e contínua narrativa
Mas sempre aguardadas com expectativa
Por último, a vizinhança conheceu as gêmeas
Que vieram cheias de novas palavras e temas
E se eu falar delas será um tanto suspeito
Pois trazem em si do meu sangue e jeito
Se faltou alguém, pense que era de se esperar
Em vilas estão sempre a sair e a entrar
E esta aqui, virou uma grande sessão terapêutica
Ideológica, desabafológica e hermenêutica
Tem mais loucos do que uma reunião em Paris
Entre personagens de Poe e Machado de Assis
E se você esperava um final de embalagem
Para este poema que começou como homenagem
Sinto decepcionar, ele é só paliativo
Para a Márcia não brigar mais comigo.

Beijos!!!

10 comentários:

Lê Cami disse...

hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha.....

Ótima saída!
Beijos

ricardo disse...


Tomo a palavra de uma pequena inglezinha para adequadamente comentar esse poeminha: "lovely"

Puxa, gostei mesmo da citação a mim. Você foi feliz em consguir me fazer rir. Um dia quero aprender a fazer rimas bacaninhas assim!

beijos, ricardo

ricardo disse...


É, me passou pela cabeça que poderíamos ter muito bom êxito se usássemos seu dom de fazer rimas se realmente entrarmos no concurso da PM! rs

beijos, ricardo

Marcia disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!
Se soubesse teria feito antes!!!
AMEI!!!!
E pensar que vc tem, de forma insistente, nos privado dessa inteligência e desses posts maravilhosos!
Shame on you!!!!

Marcia disse...

Ah, quero deixar bem claro:
- Não tenho passado nem perto da sua casa e muito menos após sair da feira...
- Não tenho mais conta no orkut e já tem tempo...já te disse o q é aquilo ali...rs!
- nao comi comida chinesa ( mas sei que comeu e nem me convidou...hehehehehehe!)
Após esses esclarecimentos, impossível minha presença na lista de suspeitos, apesar do meu nome aparecer expressamente no final do post como supostamente responsável pela ira e revolta de toda uma vizinhança....rs!

Mel disse...

Nossa, MT BOM!!
kkkkkkkkkkkkkkkk
gargalhei no meio da biblioteca digital! geral ficou curioso! mas se lessem não entenderiam, afinal tem que ser da vizinhança!
primeiro achei que eu era a de longas narrativas (talvez tbm),mas dps tive certeza q sou uma das gêmeas. né?
rs...
tita, arrasou! por favor! mais peminhas com licenças ao poetismo.
=)*
your fan.

SUGIRO UM ENCONTRO DE BLOGUEIROS!!!

Control+Alt+Del disse...

Só mais um mero exemplo do crânio pensativo no qual tento me espelhar.Aff... desde sempre digo isso. Sou igual a Mel, semelhante (intensionalmente falando) a Chita que anda em seu Cipó pra lá e pra cá. Num desses passeios vc dever ter bolado esse "fora" soooo sweet pra nossa vizinha.
Amei! meus olhos lacrimejaram qnd percebi que fazia parte das rimas! quem diria :D
Muito bom. Só me emocionei, não chorei gente,calma. rs... Se eu tivesse o direito e acreditasse ser possível, pediria: BIS e sem dúvida arranjaria um coro com a Pribz regendo: "Mais-um, mais-um"

vc e esse seu cérebro formam uma dupla quase excelente! (só não é,pq demora a postar hihihi)

www.leialuna.blogspot.com disse...

tudo mt bommm..
ameeeeeeeeeeeeeeeiiiii =)

Câmera Digital disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Câmera Digital, I hope you enjoy. The address is http://camera-fotografica-digital.blogspot.com. A hug.

Anônimo disse...

Ate mesmo eu que estou distante da vizinhanca ri.
Ja briguei com vc anteriormente e vc nunca escreveu nada desta forma para mim!?!?

Q isso Tita? Sera q eu nao causei dano suficiente mero de um poema? Talvez tudo o q fiz foi paliativo?

Ahhhh... mas eu te pego quando vc chegar aqui!!!! ...rs
bjs
Juliano